Siga-nos por Email

Introdução: Terra: é o elemento sólido. Assim, ela possui muitas associações e significados. No nosso sistema solar, a Terra é o terceiro planeta a partir do Sol, o planeta onde vive a humanidade. Nesse aspecto ela também abriga o mundo da natureza, como na expressão "Mãe Terra". Mais especificamente, ela também é a massa de terra do mundo, distinta dos oceanos e da atmosfera. Muitas vezes a valorizada substância de plantio, o solo, também é chamada de terra. , Finalmente pode significar a humanidade com um todo; portanto, aqueles aspectos mais naturais das pessoas realistas (com os pés na terra) ou mesmo brutos (para alguns), também são chamados de "grosseiros" ou mundanos (ligados à terra). É um elemento extremamente sólido e resistente a mudanças. Entretanto, ela realmente contém vários tipos de minerais e de compostos, podendo ter características e composição bastante variadas de um lugar para outro. Mistura-se bem com dois dos demais elementos, ar e água, para formar o solo de plantio. Na verdade, segundo as adequadas condições de drenagem, são necessárias grandes quantidades tanto de ar quanto de água misturadas com terra para existir vida vegetal. A terra não se dá geralmente com o quarto elemento, o fogo. Desastre de origem: Terra;

Terremotos
Terremotos, também chamados de abalos sísmicos, são tremores passageiros que ocorrem na superfície terrestre. Esse fenômeno natural pode ser desencadeado por fatores como atividade vulcânica, falhas geológicas e, principalmente, pelo encontro de diferentes placas tectônicas.
Conforme a teoria da Deriva Continental, a crosta terrestre é uma camada rochosa fragmentada, ou seja, ela é formada por vários blocos, denominados placas litosféricas ou placas tectônicas. Esses gigantescos blocos estão em constante movimento, podendo se afastar (zona de divergência) ou se aproximar (originando uma zona de convergência).
Nas zonas de convergência pode ocorrer o encontro (coalização) entre diferentes placas tectônicas ou a subducção (uma placa mais densa “mergulha” sob uma menos densa). Esses fatos produzem acúmulo de pressão e descarga de energia, que se propaga em forma de ondas sísmicas, caracterizando o terremoto.
A magnitude é a quantidade de energia liberada no foco do terremoto, sendo medida a partir de uma escala denominada Escala Richter. A intensidade é a consequência causada pela ação do sismo, a destruição provocada por esse fenômeno. A escala mais utilizada para se classificar a intensidade é a de Mercalli.

Postado por: Henry